Notas do mar vermelho


Olha o anúncio: “Mulher de 54 anos, 172cm, 58kg, adrenérgica e occitocínica, atualmente anda ansiosa por sua vida, não consegue lembrar do caminho para sentir bem. Ela deseja encontrar a Paz. Dessa maneira, ela acredita que assumirá seu poder sem mêdo. (!!!) , seu telefone é 2121212121. Paz, por favor entre em contato assim que ler este anúncio.”

… Eu lembro dessa mulher.

Ela fez de tudo para encontrar essa bendita paz. Terapias todas. Homeopatias, florais, agulhas, alimentação, ayurvedica tudo o que ela sentia a possibilidade de encontrar, ela ia. Entrou pro Sufismo, Cristianismo ortodoxo, espiritismo sendo que ela não gostava de como o Allan Kardec escrevia, dizia que muitos outros já escreveram melhor a mesma coisa. Não sei por onde ela anda. Me parecia uma pessoa exêntrica. Definitivamente. Desde as roupas até o silêncio.

Fez até formação de Yoga. Entre uma crise de ansiedade e outra, ela dava aulas de corpo e atendia com florais. Seu lado mãe não me sai da memória. Ela tinha vários filhos. Até hoje não entendo como ela conseguia viver se sentindo a pior mãe do mundo.

Desde criança ela começou a fazer ballet e sempre estava fazendo cursos na área do corpo. Em algum momento, perto do nascimento de um de seus filhos, ela murchou. Parei de vê-la na vizinhança e nunca mais vi seu anúncio de aulas…Até que me deparei com este, ela ainda procurava a paz.

Eu não sou a paz, mas pensei em ligar e saber como está sua vida. Essa mulher me ajudou em momentos em que pensei que estava morrendo de tanta ansiedade. Ironia do destino, mas foi essa mulher que me ensinou a respirar. Foi ela que me disse que chorar era melhor que infartar. Foi ela quem me prescreveu o floral que me ajudou a sair do lugar. Talvez, ela nem se dê conta de como e quantas pessoas ela já ajudou, exatamente em seu campo de expertise: a ansiedade o medo. Eu queria dizer a ela, que eu também sinto ansiedade. Ainda.

As vezes, todos os dias. Mas ela sempre me vem a cabeça quando penso em relaxar, em respirar, em alongar, deixar sair. Isso me ajuda todas as vezes. Ela é uma mulher exótica. Perspicaz e intuitiva. Por que ela ficou sozinha? Digo, sem um companheiro? Eu sinto uma tristeza naquele olhar.

Um vazio que quer se preencher. Eu via um desejo de motivação, de partilha. E agora, sem pudor ou noção, ela anuncia a sua verdade. Eu vou ligar pra ela e dizer o quanto ela me inspirou a exercer o que Sou hoje. Eu não sou a Paz, mas Posso ser a memória dela. E

ssa é a história de uma mulher poderosa que perdeu a esperança. Perdeu-se do desejo e dos fios que a sustentam no mundo. Eles estão aí, ela não os vê porque está triste. E mesmo assim, seu coração ainda espera a esperança e é isso que mais admiro nela.

Lara M.

Observe sua respiração

Articule a mente

Anúncios