A sexualidade feminina


Enquanto as mulheres sofrerem  privação do prazer sexual, sobrecarga de responsabilidades e violência física e emocional este Planeta não será feliz.
Primeiro há que se recuperar o respeito pelo feminino, a retomada de seu verdadeiro e legitimo lugar na vida planetária e tudo se modificará  como quer por encanto: naturalmente.

Retomem as mulheres do direito à suavidade, à  sexualidade (não à sexualidade grotesca e caricaturada), à auto-reflexão, ao “modus vivendi” próprio feminino, ao tempo feminino e teremos feito a revolução do coração. Precisamos dos aliados masculinos.

Os mais evoluídos, atentos, inconformados. A maneira masculina extrapolou em poder e expressão. Houve descambamento e orgia masculina. Tornou-se uma caricatura grotesca em sua expressão e ação. Exagerou em seu poder absoluto.

Fátima, mulher de Maomé, ao ser perguntada sobre como era em casa o profeta, o que ele fazia, respondeu: “faz o que  todo homem faz: serve à mulher”.

Ela, a mulher, trará à Terra, se lhe for permitido expressar-se integramente, o respeito que vem do amor e o respeito à individualidade; a fertilidade de sentimentos, a originalidade individual.  O SER antes do TER.

Assisti nestes dias um filme vietnamita “As Luzes do Verão”,  onde me encantou o olhar feminino em tudo o que foi vivido pelos personagens.
E com o pouco dinheiro que caracteriza a maioria das mulheres, se fez uma jóia de arte, como não via há muito tempo: delicadeza, milagres, encantamento, muita sensualidade e nenhuma cena de sexo explicito.

O diretor è um homem.

Regina de Toledo

Terapia da Nova Consciência OnLine
reginadetoledo@corpoinconsciencia.com

Anúncios