A Leveza e a Graça


DSC_0265

“…Onde está meu conforto?

Aquele lugar de mim onde eu me sinto bem em mim, bem comigo.
Não encontro. Só lembro que ele existe
Por isso passo a Vida vale a pena

O difícil na hora do “aperto”, seja nos relacionamentos, no dinheiro ou do peito mesmo.
Aquele aperto que dá, do medo que a impermanência provoca, às vezes.
Onde pode haver conforto na impermanência? No “Poder do Agora” diz o mestre.

É nessa hora que eu respiro e fico só observando minha respiração.
Procuro no meu corpo, o conforto dentro do desconforto do “aperto”.
Procuro estimular em mim qualquer músculo e na incapacidade de me mover,
coloque-me pra dormir até que o pensamento clareie.

Eu lembro, tive vários momentos de clareza e vivo acumulando esses momentos,
especialmente quando perco o fôlego, são muito úteis.
É no Corpo que eu nasci, é nele que sinto minha VIDA correndo nas veias e no sutil em mim.

E quanta sutileza tem os pensamentos e emoções!
E quanto me custa pacificar em mim esses opostos
sem negligenciar a outra parte…

Não posso dizer que encontrei a paz ou a sabedoria,
mas posso dizer que meu corpo é sagrado, pois é nele que habito.
E tenho a intuição que Sou bem mais ampla do me posso me perceber
E o que necessito suportar é a prosperidade e a alegria de viver na leveza.

Leveza e graça são sinais celestiais e posso engendrar
Manifestar no meu corpo os sinais que chegam de todo o Cosmo
E da mesma forma transmitir, propagar, disseminar a observação
dos sinais da sutileza sagrada.

Quem sabe, o conforto está na entrega ao Movimento, símbolo e marca da Vida?
Quem sabe, na entrega chega a leveza e a graça. Quem sabe, o sagrado manifesta-se o tempo todo…
Quem sabe, basta parar, observar a respiração e articular a Mente, assim como o corpo. Quem sabe?

Eu, inconsciente
Emanuel D.Navarro

http://corpoinconsciencia.com

Anúncios